Exames de triagem a partir de 50 anos de idade

quinta-feira, 17 de junho de 2021

Um artigo postado recentemente no site LAB TESTS ONLINE (LTO), com o título “Exames de triagem a partir de 50 anos de idade”, aborda uma lista de testes que são importantes para as pessoas que estão nesta faixa etária.

Por que eles são importantes? Porque são parte de cuidados preventivos de saúde. Podem ser usados para a detecção precoce de algumas doenças comuns e potencialmente mortais, como o câncer, diabetes e doenças cardíacas, além de outras enfermidades em estágios iniciais e com maiores possibilidades de cura, mesmo antes de se notarem os sintomas.

diabetes é a sétima causa de morte nos Estados Unidos. O Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) estima que 30,2 milhões de pessoas com 18 anos ou mais, ou 12,2% de todas as pessoas nesta faixa etária, têm diabetes diagnosticado ou não diagnosticado. Destes, 14,3 milhões têm 45-64 anos e 12,0 milhões têm 65 anos ou mais. O diabetes tipo 2 é responsável por 90-95% de todos os casos diagnosticados de diabetes entre adultos. O peso corporal pouco saudável e a inatividade física, são fatores que contribuem para o aumento da incidência de diabetes tipo 2.
Outros 84,1 milhões de americanos adultos com 18 anos ou mais têm pré-diabetes, o que significa que seus níveis de glicose no sangue estão mais altos do que o normal, mas ainda não altos o suficiente para serem diagnosticados com diabetes. A detecção de pré-diabetes permite que os indivíduos tomem medidas para interromper ou retardar o desenvolvimento do diabetes tipo 2 e suas complicações. Essas complicações incluem ataque cardíacoderramehipertensão, cegueira e problemas oculares, doenças renais e doenças do sistema nervoso. Mais de 60% das amputações de membros inferiores ocorrem em pessoas com diabetes.
Outra complicação é a perda auditiva. É duas vezes mais comum em pessoas com diabetes do que em pessoas que não têm a doença. Entre adultos com pré-diabetes, a taxa de perda auditiva é 30% maior do que naqueles com níveis normais de glicose no sangue, de acordo com a American Diabetes Association (ADA).

Fatores de risco

Estar acima do peso – ter um índice de massa corporal (IMC) igual ou superior a 25 kg/m2 – é um importante fator de risco para diabetes tipo 2.

Outros fatores de risco relacionados à sua própria saúde incluem:

  • Inatividade física
  • Ter pressão alta (hipertensão), o que significa pressão arterial de 140/90 mmHg ou superior ou recebendo terapia para hipertensão
  • História de doença cardiovascular
  • Ter um nível de colesterol HDL menor que 40 mg/dL (1,00 mmol/L) e/ou um nível de triglicerídeos maior que 150 mg/dL (1,70 mmol/L)
  • Ter um resultado de teste de hemoglobina A1c anterior igual ou superior a 5,7%, tolerância à glicose diminuída (resultado do teste de tolerância à glicose 140 a 199 mg/dL (7,8 a 11,1 mmol/L)) ou glicemia de jejum alterada (nível de glicose de jejum de 100 a 125 mg/dL (5,6 a 6,9 mmol/L))
  • Ter outras doenças/estados clínicos associadas à resistência à insulina, como obesidade severa e acantose nigricans

Os fatores de risco relacionados à família são:

  • Ter um dos pais ou irmãos com diabetes
  • Ser descendente de afro-americanos, latinos, nativos americanos, asiáticos ou das ilhas do Pacífico

Os fatores de risco das mulheres incluem:

Testes de triagem para homens e mulheres não grávidas

  • Glicose em jejum (glicose no sangue em jejum, FBG) – este teste mede o nível de glicose no sangue após um jejum de 8-12 horas.
  • Hemoglobina A1c (também chamada de A1c ou hemoglobina glicada) – esse teste avalia a quantidade média de glicose no sangue nos últimos 2 a 3 meses e foi recomendado como outro teste para rastrear diabetes.
  • Teste de tolerância à glicose de 2 horas (OGTT) – este teste envolve a coleta de uma amostra de sangue em jejum para medição de glicose, seguida por fazer a pessoa beber uma solução contendo 75 gramas de glicose e, em seguida, coletar outra amostra duas horas após a pessoa começar a consumir a solução de glicose.

Se algum desses resultados for anormal, o teste é repetido em outro dia. Se o resultado da repetição também for anormal, é feito um diagnóstico de diabetes.

Recomendações

Todas as pessoas com 45 anos ou mais façam o rastreamento para diabetes tipo 2, mesmo que não tenham sintomas ou fatores de risco além da idade. Se você tiver fatores de risco adicionais, o rastreamento é especialmente importante.
Mesmo que os resultados da triagem inicial sejam normais, repita o teste pelo menos a cada 3 anos. Se você foi identificado como tendo pré-diabetes, faça o teste anualmente.
A American Association of Clinical Endocrinologists (AACE) também recomenda o rastreamento do diabetes para pessoas assintomáticas com esses fatores de risco, bem como aqueles em terapia antipsicótica para esquizofrenia ou que tenham doença bipolar grave.

Enquanto os especialistas em saúde pública trabalham para educar os americanos sobre o que fazer para evitar o diabetes e suas complicações graves, esteja ciente de que hábitos alimentares saudáveis e opção por atividade física podem reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo 2 e de sofrer complicações.

 

Links

SBPC/ML : Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial – www.sbpc.org.br
SBD: Sociedade Brasileira de Diabetes – www.diabetes.org.br

Bioteste